Pages


quinta-feira, 26 de setembro de 2019

MANCHAS OLEOSAS PODEM AMEAÇAR DESOVA DE TARTARUGAS NO CEARÁ

Por ipuemfoco   Postado  quinta-feira, setembro 26, 2019   Sem Comentários



Substância ainda não identificada encontrada na orla pode comprometer a eclosão de novas tartarugas marinhas,
além de prejudicar a cadeia alimentar na qual estão inseridas. Temporada de desovas vai de outubro a junho.

As misteriosas manchas escuras e oleosas que vêm se alastrando pelo litoral do Nordeste acenderam um alerta em órgãos e associações de proteção ambiental. 

No Ceará, a substância foi flagrada em pelo menos dez praias, com relatos de difícil remoção após contato com outras superfícies. Por isso, biólogos estão apreensivos quanto à próxima temporada de desova de tartarugas no Estado, que deve começar já no mês de outubro.

"Se a mancha chega na praia, na areia, e a desova começa a acontecer com essa substância presente, ela pode passar para os ovos. Nos primeiros dias, eles respiram o oxigênio de fora pra dentro, então pode ser que algum tipo de composto volátil entre e os contamine de alguma forma", explica Alice Frota, uma das coordenadoras do Grupo de Estudos e Articulações Sobre Tartarugas Marinhas (GTAR), do Instituto Verdeluz.

Segundo ela, o problema vai além porque os ovos também são fonte de alimento para outros animais silvestres. "É toda uma cadeia de problemas". A temporada de desova em Fortaleza, por exemplo, costuma seguir até junho. 

"Começamos a registrar os primeiros ninhos em dezembro, quando os ovos começam a eclodir" - em média, de 55 a 60 dias após a desova. 

Até agora, foram registrados nascimentos de tartarugas-de-pente, embora a Capital também seja área de alimentação e passagem para as espécies oliva, verde e cabeçuda.

Além dos animais que estão para nascer, os vivos também são afetados. Desde o início de setembro, o GTAR somou cinco tartarugas 'oleadas' na orla duas em Fortaleza (Sabiaguaba e Serviluz) e outras em Flecheiras, Taíba e Jericoacoara. Quatro estavam mortas. Outra foi limpa e devolvida ao mar por moradores. Um erro, conforme a bióloga.

"Quando ela chega na praia, é porque já está tão debilitada que não consegue mais nem respirar no mar. Todas estavam no mesmo estado: caquéticas, desnutridas, extremamente cansadas. A gente recomenda que não se jogue de volta no mar porque ela volta ao ambiente de onde estava fugindo", esclarece.

Por isso, uma rede foi montada para acolher os animais exclusivamente afetados pelo óleo, após reunião na Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), na manhã dessa quarta (25). 

A ONG Aquasis, que possui estrutura para atendimento, limpeza e estabilização de animais marinhos e aves, poderá se deslocar às praias do Litoral Leste. Para Fortaleza, Região Metropolitana e Litoral Oeste, contará com apoio logístico da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace).

Um helicóptero e dois drones da autarquia estadual também serão utilizados para examinar a extensão das manchas oleosas nos 20 municípios que integram o litoral cearense, ainda nesta semana. "O helicóptero será utilizado para identificar se há dispersão no mar", explica Carlos Alberto Mendes, superintendente da Semace.

Tempo

O chefe da Divisão Técnico-Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Ceará, Miller Holanda, pondera que o levantamento visual poderá estimar mais precisamente quantos dias o problema ainda pode perdurar. "Por enquanto, não dá para prever. O certo é que vamos ficar em alerta enquanto tiver isso chegando às praias", ressalta.

Segundo ele, também não é possível indicar a quantas cidades a mancha já chegou. "Não existe uma centralização das ocorrências. Para evitar desencontro de informações, vamos visitar todos os municípios do litoral", afirma. Entre as orientações, está a guarda da substância em tanques metálicos, sem vazamentos para o solo, e a incineração dela em fornos de cimento. "Os municípios que não foram afetados serão prevenidos do que pode acontecer", diz o técnico.

Nos próximos dias, também será realizada a coleta da água do mar e do solo das praias dos 20 municípios. As substâncias serão analisadas por laboratórios do Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec) e da Universidade de Fortaleza (Unifor). Os laudos devem ser encaminhados ao Ibama para as investigações.

De acordo com o secretário estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno, também foi firmada uma parceria com o Instituto Verdeluz para a capacitação de agentes dos Batalhões de Polícia Militar Ambiental (BPMA) e de Turismo (BPTur) para o manejo correto das espécies afetadas.

Em caso de achado de animais cobertos por óleo, pode-se acionar resgate da ONG Aquasis pelo número (85) 99800-0109. Para ocorrências de tartarugas marinhas, o GTAR pode ser contatado pelo número (85) 98597-3007.DN

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
.
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee