Pages


quinta-feira, 23 de abril de 2020

EFEITO PANDEMIA; AGRICULTORES SENTEM DIFICULDADES PARA VENDER A PRODUÇÃO

Por ipuemfoco   Postado  quinta-feira, abril 23, 2020   Sem Comentários

O Ceará possui mais de 350 mil produtores familiares, categoria com permissão para continuar trabalhando no campo durante a pandemia.

Porém, o decreto de distanciamento social, válido até o dia 5 de maio, proíbe o funcionamento de Feiras públicas e aglomerações em todo o Estado.

Toda sexta-feira, há 17 anos, a agricultora Ana da Silva, 68, do Assentamento 10 de abril, em Crato, acorda com o céu ainda escuro para vender seus produtos na Feira Agroecológica, que ajudou a fundar em 2003. 
A rotina mudou, assim como a de todos os brasileiros, com a chegada do novo coronavírus e a medida de isolamento social, que proibiu as feiras livres para evitar aglomerações. Os produtores viram a renda diminuir e têm buscado alternativas para amenizar o prejuízo.

O decreto de distanciamento social foi prorrogado no último dia 20 e fica válido até 5 de maio em todo o Ceará. O Estado tem cerca de 351,1 mil agricultores familiares, segundo a Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA). 
Esses produtores compõem uma das categorias consideradas essenciais durante a pandemia, que possuem permissão para continuar trabalhando no campo desde que tomando as precauções para evitar o contágio. A produção é possível, mas as vendas estão em baixa.
Ana da Silva estima que, semanalmente, apurava entre R$ 250 e R$ 280, porque "levava muita coisa: verduras, legumes, galinha caipira", descreve. Com a impossibilidade de venda na feira da cidade, a renda diminuiu. 

"Não peguei mais em um real", lamenta. As boas chuvas tornavam ainda mais otimista a produção da agricultora. "Parou tudo. Ficamos desorientados". Para o prejuízo ser menor, está vendendo na própria comunidade onde vive, mesmo sendo "coisa pouca".

Para além da venda direta, a agricultura familiar é base importante no fomento aos comércios locais de diferentes municípios. Em Iguatu, no centro-sul, o produtor de banana nanica, Carlos Vieira, afirma que desde o fim de março passado, a produção apodrece na roça. 

"Os compradores sumiram, alegando que não têm como vender porque as feiras acabaram-se", diz. "O prejuízo vai ser enorme e estou sem saber o que fazer".

Centenas de produtores de banana em Iguatu, Jucás e Cariús enfrentam situação semelhante, o que também ocorre com agricultores e vendedores de feijão-verde e jerimum, alimentos que integram a cesta básica. 

O fim da feira livre em Iguatu representou a paralisação dos negócios. "A gente vive de vender feijão na feira e todo mundo está parado", ressalta a feirante Maria Augusta Lopes. "Só alguns que saíram pelas ruas oferecendo o produto", explica.

Alternativa

Morador do sítio Bebida Nova, no Crato, o agricultor Ronaldo de Góes, 38, decidiu divulgar seus produtos nas redes sociais e deixar na porta de clientes. Frutas, legumes, verduras, plantas medicinais, codorna, ovos, bolos, biscoitos. A lista tem mais de 30 itens. "Sem a feira, a alternativa foi essa. Já tenho contato de alguns clientes, fiz uma lista", conta, otimista.

O produtor toma cuidado para diminuir os riscos da contaminação. "Procuro fazer o máximo de entregas num dia só para evitar sair de casa". Apesar disso, reconhece que houve perda com a suspensão das feiras. 

"Acho que caiu 50%. O cliente na feira leva o que você tem. Mesmo um não gostando, encontra outro que quer. Na lista, eles escolhem e não conhecem os outros produtos", justifica.


"Está em fase de regularização do cadastramento dos produtores rurais e das entidades socioassistenciais e a previsão é que, neste mês, o cadastro esteja concluído, e o programa volte a atender crianças, jovens e a população mais carente do Estado, desenvolvendo estratégias de entrega dos produtos junto às secretarias municipais e estadual de Educação (Seduc)".

O Programa dispõe de dois formatos de compras: a chamada pública para alimentos comprados diretamente das cooperativas e dos agricultores individuais; e o pregão eletrônico para os serviços alimentares. 

"O percentual de 30% se refere ao segundo formato e 2020 é o primeiro ano de ajuste da lei. Na modalidade, os vencedores do pregão eletrônico precisam comprovar o valor correspondente aos alimentos, separando dos outros gastos, como mão de obra, água, energia, etc. A pandemia causada pela Covid-19 atrasou o ajuste".

Outra alternativa apontada é a comercialização dos produtos na Ceasa. Segundo a SDA, cerca de 39% dos itens comercializados são de alimentos da agricultura familiar. 

"Uma das iniciativas de estímulo a essa participação e o Galpão da Agricultura Familiar. Todas as segundas e quintas-feiras, os pequenos produtores de todas as regiões ocupam o espaço e comercializam direto aos permissionários, empresários e consumidores que frequentam o espaço. A participação é ofertada aos beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf)".

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
.
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee