Pages

terça-feira, 2 de abril de 2019

A GUERRA INTERNA NOS GRUPOS BOLSONARO

Por ipuemfoco   Postado  terça-feira, abril 02, 2019   Sem Comentários



Caminhando para o 4º mês de mandato, o governo Jair Bolsonaro (PSL) ainda consome boa parte das energias' no controle de disputas internas pelo poder. 

Com várias crises e “danças das cadeiras”, pelo menos oito núcleos com interesses distintos disputam hoje uma queda de braço por protagonismo nos rumos do Palácio do Planalto.

Na última sexta-feira, 29, o tenente-brigadeiro Ricardo Machado Vieira foi confirmado secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC). A nomeação – a quarta para a vaga em menos de três meses – é novo capítulo de longa disputa interna entre “pragmáticos” e “ideológicos” pelo controle dos rumos da pasta, hoje comandada por Ricardo Vélez.

O primeiro grupo, formado por militares, defende que o governo priorize a pauta técnica sobre a política, focando na execução de projetos como a educação a distância, a expansão de colégios militares.

Já o segundo grupo, formado por ex-alunos e pupilos do escritor de direita Olavo de Carvalho, defende ação mais enérgica no combate a "pensamentos esquerdistas". Nesse sentido, o núcleo "anti-establishment" (conforme cunhado pelo próprio assessor especial do governo, Filipe Martins) propõe destaque em pautas como o Escola Sem Partido e revisão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Na esteira do embate, pelo menos 13 pessoas deixaram o alto-escalão do MEC desde janeiro deste ano.

Disputas no Congresso

A situação conflituosa também tem ramificações no Congresso, onde diversos grupos travam embates na busca por maior influência nas diretrizes do governo. Neste sentido, destacam-se os muitos embates protagonizados entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com filhos de Bolsonaro, ministros do governo e até com o próprio presidente. Na interlocução, tenta atual o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), principal referência dos políticos dentro do governo.

Pelo menos oito núcleos distintos operam no governo Bolsonaro (Infografia/O POVO)

No início de março, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, causou polêmica após responder a altura críticas de Carlos Bolsonaro (PSL), um dos filhos do presidente, no Twitter. Após ser acusado de atrapalhar andamento da reforma da Previdência no Congresso, Maia ligou para o ministro Paulo Guedes (Economia) e disse que deixaria de articular votos para a medida para o governo.

Em resposta, líderes do governo passaram a trocar críticas e acusações públicas contra o deputado, que chegou a acusar Bolsonaro de estar “brincando de ser presidente”. Na esteira da polêmica, Maia pautou e aprovou projeto que limita a margem que o governo pode definir para a execução orçamentária, que segue agora ao Senado.

Outro embate de Maia foi o ministro da Justiça, Sergio Moro, que tenta aprovar pacote de medidas anticorrupção no Congresso. Após ser cobrado diversas vezes pelo ministro para apressar tramitação da pauta na Câmara, o presidente da Casa retrucou dizendo que a proposta não possui “nada de novo” e destacou que Moro é “empregado de Bolsonaro”.O POVO

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee