Pages

segunda-feira, 18 de junho de 2018

CIRO;MERCADO É UM GRUPO PEQUENO DE BARÕES QUE DOMINA A ECONOMIA COM ESPECULAÇÃO

Por Rogerio Palhano   Postado  segunda-feira, junho 18, 2018   Sem Comentários


Conhecedor da resistência que sua candidatura enfrenta no mercado financeiro, o presidenciável do PDT, Ciro Gomes, não poupou críticas a este segmento, na manhã desta segunda-feira, 18, em sabatina realizada pela rádio Jovem Pan.

Indagado se uma eventual vitória sua nas urnas, em outubro, poderia levar o dólar a patamares ainda mais elevados do que os atuais, onde já rondou o patamar dos R$ 4, Ciro disse que se a moeda americana continuar subindo não será por sua culpa. “O dólar não vai disparar por minha causa, mas pelo vencimento da dívida pública brasileira. 

A razão é que 26% dessa dívida, de R$ 5 trilhões, vence em 4 dias. O problema não é o seu volume, mas o perfil, e isso precisa ser mudado. A maneira de começar a fazer isso é através da confiança, com alguém que não use frases de efeito, como o Bolsonaro (seu concorrente do PSL, Jair Bolsonaro) ou inexperiente, que faça uso apenas da marquetagem.”

Nas críticas ao mercado, que ele continua classificando como “entidade fantasmagórica”, Ciro disse que o mercado se assume como representante da indústria, da produção, da agricultura, da construção civil, do comércio. “Mas, não é. O mercado é um grupo pequeno de barões que domina a economia brasileira, com especulação”, destacou.

Ciro continuou: “peça para qualquer candidato para refletir sobre qual ajuste fiscal potente é capaz de encarar 4 dias de vencimento de (uma parcela) de R$ 5 trilhões. Só tem um jeito: pagar a dívida e impor confiança. Pela minha proposta, em 24 meses é possível resolver o déficit fiscal brasileiro.” Segundo ele, o essencial é o Brasil restaurar a confiança, pois o pagamento não precisa se realizar à vista, a não ser que tenha algum componente especulativo.

Na sabatina, o pedetista criticou duramente a condução da economia pelo governo do presidente Michel Temer, a quem ele continua chamando de “golpista”. Ciro disse que apesar do ex-ministro da Fazenda e pré-candidato do MDB à Presidência da República, Henrique Meirelles, “ser um belo de um cara”, o emedebista acha que está tudo bem neste setor.

“E não está”, afirmou “pois o desemprego já passa da casa dos 13 milhões, o próximo presidente pegará um cenário com pressão inflacionária, em razão dessa queda de braço com o mercado, hoje a indústria de transformação no País está reduzida a uma participação de 8%, o que é escandaloso, e a elite bate palmas com o desmonte de nossa economia e com o desemprego”, enfatizou. “Ou mudamos ou o País vai pro vinagre, quando dólar sobe, pressiona a inflação.”

Apesar das críticas ao mercado, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, mostrou que a equipe de Ciro Gomes tem procurado alguns setores da iniciativa privada para tentar contornar o temor deste segmento com sua candidatura. A ideia, segundo informou o irmão de Ciro, Cid Gomes, é passar a mensagem de que o pedetista considera o setor e os demais da economia como parceiros, não como inimigos.

Na entrevista à Jovem Pan, Ciro Gomes disse também que é a favor da Operação Lava Jato e que, se eleito, não cogita dar perdão judicial ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso há mais de dois meses na Polícia Federal de Curitiba. Ele falou, ainda, que pretende implantar uma nova reforma do sistema previdenciário em seis meses. “Temos de criar uma nova Previdência, a que está aí é irreformável.”

Depois de fazer um meia-culpa pelos destemperos verbais que o acometem e pelos quais ele diz que vem pedindo desculpas, na sabatina o pré-candidato do PDT foi indagado sobre as conversas que tem mantido com alguns partidos, como o DEM, PP e Solidariedade, a fim de tentar fechar as alianças partidárias neste pleito. Ciro disse que admitira um entendimento com essas siglas, mesmo com as diferenças programáticas, mas com muita conversa para não sair “um monstrengo”.

Ao falar que o DEM tem candidato à Presidência da República, que é o Rodrigo Maia, e que se surpreendeu com o sinal público que eles estão dando, ao admitir uma conversa com sua pré-campanha, Ciro voltou à carga, ao chamar o vereador paulistano da sigla Fernando Holiday de “capitãozinho do mato”.ISTOÉ

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee