Pages


domingo, 19 de setembro de 2021

A GANGORRA DOS EVANGÉLICOS

Por ipuemfoco   Postado  domingo, setembro 19, 2021   Sem Comentários



O pastor pentecostal Silas Malafaia está acostumado com milhares de aplausos nos seus cultos. O carisma e a formação em psicologia dão ainda mais força aos seus discursos.


Habituê em viagens com Bolsonaro, Malafaia foi ovacionado depois do seu discurso no Ato de Sete de Setembro na Avenida Paulista. O público gritava pedindo que ele fosse o próximo vice-presidente – e Bolsonaro parece ter gostado da ideia.


Malafaia é útil quando é preciso mobilizar os apoiadores radicais. Posicionou-se com firmeza sobre a carta em que o mandatário se desculpou pelos excessos nos discursos contra o Supremo Tribunal Federal. 


“Continuo aliado, mas não alienado! Bolsonaro pode colocar a nota que quiser, Alexandre de Moraes continua a ser um ditador da toga que rasgou a constituição e prendeu gente inocente. Minhas convicções são inegociáveis”, escreveu no Twitter.

À ESPERA André Mendonça: pastor evangélico foi indicado por Bolsonaro ao STF (Crédito:Divulgação)


Quando foi eleito, o presidente esteve na igreja de Malafaia, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec), localizada na Penha, Rio de Janeiro, e confessou o óbvio: “não sou o mais capacitado”. Na sequência defendeu que era o “escolhido por Deus”. Foi nessa mesma igreja que Bolsonaro casou-se com Michele, em 2007, com as bênçãos de Malafaia.


Mesmo após chamar de covarde o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), o pastor pediu audiência com o senador para defender a aprovação de André Mendonça para o STF. Indicado pelo presidente, ver o ex-ministro da Justiça na Corte é um sonho da comunidade evangélica. A atitude agrada o presidente, mas também reforça a imagem de liderança junto aos conservadores.


Nos bastidores em Brasília, há certa ironia quando se fala sobre a viabilidade de Malafaia. Ninguém acredita que ele tenha condições de ser um representante que possa ajudar na composição de uma chapa à Presidência. É no ambiente das redes sociais que o pastor tem sua maior desenvoltura. Seu número de seguidores é expressivo: são 3,1 milhões no Instagram, outros 3,1 milhões no Facebook, 1,4 milhão no Twitter e 1,45 milhão no Youtube.

Investigado pela PF

Defensor dos ideais da extrema-direita, Malafaia é investigado pela Polícia Federal desde 2016 numa apuração que aponta o desvio de R$ 66 milhões de royalties de mineração. Pragmático na questão financeira, o pastor foi apontado pela revista Forbes como o terceiro líder evangélico mais rico do País. 


O olhar para a ampliação dos negócios é um ponto de destaque. Em meio à pandemia, inaugurou 18 novos templos. A estratégia agressiva na arrecadação fica clara na sede da Advec: nada menos que 120 máquinas de cartão de crédito e débito estão à disposição de seus funcionários — também é possível usar o PIX para fazer doações.


Malafaia tem ampliado seu espaço por conta de uma preocupação no estafe de Bolsonaro. A peregrinação do ex-presidente Lula pelo Norte e Nordeste já tem surtido efeito. Os políticos alinhados a grupos evangélicos são, na maioria, ligados ao Centrão e monitoram de perto quem está na frente da corrida eleitoral. 


Hoje, eles pulariam da canoa furada de Bolsonaro para entrar no barco de Lula sem pensar duas vezes. Historicamente, os religiosos se alinham ao governo federal, pouco importa quem seja o mandatário.

TRAÍDO Magno Malta queria ser ministro de Bolsonaro, mas foi deixado no caminho (Crédito: Pedro Ladeira)


A cientista política Juliana Fratini avalia que a relação entre Malafaia e Bolsonaro vai perdurar por conveniência eleitoral. “O interesse do pastor é de blindar as dívidas das igrejas com o Estado, bem como obter benefícios para as instituições religiosas que coordena.” A questão dos arranjos políticos é o que menos importaria nesse momento.


O flerte de Bolsonaro com os evangélicos sempre norteou o mandatário. O pastor Magno Malta era um dos políticos com maior influência junto ao presidente durante a corrida eleitoral em 2018, inclusive cotado para ser vice-presidente. Senador pelo estado do Espírito Santo, Malta se esqueceu da própria campanha e foi derrotado. O reconhecimento pelo esforço, acreditava ele, viria com a nomeação para um ministério, algo que nunca aconteceu.


A maior força política do segmento, no entanto, continua sendo a Igreja Universal do Reino de Deus. Além do poderio religioso com milhões de fiéis, ela é uma potência na área de comunicação e comanda a Rede Record. O imbróglio da igreja com as autoridades em Angola é a principal demanda da Universal e, por isso, dirigentes estão descontentes com atuação do governo que não intercede por ela. 


Nem mesmo a indicação do bispo Marcelo Crivella para a embaixada da África do Sul ameniza o distanciamento. Na gangorra evangélica, ter um líder numa posição de destaque em relação aos outros grupos não é um bom negócio. Malafaia é uma peça importante hoje — mas que pode ser trocada a qualquer momento.

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
.
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee