Pages


quarta-feira, 2 de setembro de 2020

NÃO AMEACE.RESPONDA,PRESIDENTE

Por ipuemfoco   Postado  quarta-feira, setembro 02, 2020   Sem Comentários


As investigações das movimentações de Fabrício Queiroz aprofundam as suspeitas sobre o clã Bolsonaro e alcançam o advogado Frederik Wassef, enredado em interesses obscuros de empresas que têm vínculos milionários com o governo. Acuado, o presidente parte para o ataque contra a imprensa. 

Disse a um repórter que desejava “encher sua boca de porrada”, chamou outro de “otário” e tachou os profissionais de comunicação de “bundões”. Mas se nega a responder a uma simples pergunta: Por que a primeira-dama recebeu dinheiro do operador de um esquema criminoso? 

Os insultos geraram uma onda de indignação na internet, com mais de 1 milhão de interações. Os episódios revelam que sua nova fase mais conciliadora é uma estratégia precária.

Durou 67 dias a trégua de Jair Bolsonaro com os outros Poderes e as instituições democráticas. O presidente moderou os ataques como estratégia de sobrevivência após a prisão de Fabrício Queiroz, em 18 de junho. 

Isso projetou uma imagem mais favorável do mandatário, que conseguiu, além disso, ampliar sua popularidade com o auxílio emergencial de R$ 600. Essa conversão à moderação não significou, no entanto, uma nova visão institucional do cargo ou uma fase inédita de respeito à democracia. Como se viu pelas suas últimas declarações, Bolsonaro ainda não compreendeu os limites constitucionais do seu cargo, nem o papel da imprensa.




Além da ameaça ao trabalho da imprensa, a fala de Bolsonaro levanta uma questão de fundo. O presidente tinha cessado as ameaças ao STF, muitas vezes operadas por seuseus extremistas seguidores. A cooptação do Centrão também sinalizava a busca por uma relação mais produtiva com o Congresso, ainda que aberta à reedição de esquemas corruptos. 

A estratégia conciliadora, como se viu, pode ser abandonada a qualquer momento, à medida que os inquéritos que ameaçam o clã Bolsonaro se aprofundem. Atualmente, o alcance do esquema da rachadinha originado no gabinete de Flávio Bolsonaro já adquiriu uma nova dimensão que engolfa o clã presidencial em uma nuvem de suspeições. O advogado Frederik Wassef, que escondeu Queiroz até a prisão, está envolvido em nebulosas negociações com a Procuradoria-Geral da República, a pedido do presidente, para interceder pela JBS. 

Há suspeita da ligação de Wassef com o favorecimento para empresas que têm contratos milionários com o governo (leia mais à pág. 32). Tudo isso desestabiliza o mandatário e mostra que sua nova fase é de um equilíbrio frágil, instável. Os depósitos na conta da primeira-dama podem significar para Bolsonaro o que o Fiat Elba representou para Fernando Collor, ou o tríplex no Guarujá para o ex-presidente Lula. A prova cabal de vínculos com esquemas criminosos. São dúvidas assim que desestabilizam governos construídos sobre bases falsas e corruptas.


Depois de agredir o repórter que o inquiria sobre os cheques, Bolsonaro dobrou a aposta e chamou os jornalistas de “bundões” no evento “Brasil vencendo a Covid-19”, no Palácio do Planalto, no dia seguinte — deixando de mencionar os 120 mil brasileiros que já tombaram com o coronavírus. 

Em visita a Ipatinga (MG), na quarta-feira, 26, voltou a se irritar com a pergunta sobre os cheques depositados na conta de Michelle. Exaltado, por três vezes chamou um jornalista de “otário”. Esse comportamento não apenas reafirma o desprezo pela liberdade de imprensa. É combustível para ataques aos jornalistas, a exemplo do que ocorre em ditaduras. Não se trata de explosões bizarras de um político rude e inculto. 

Fazem parte de um projeto autoritário que deseja calar a sociedade. Na Venezuela, paramilitares a soldo oficial perseguem e torturam os profissionais de imprensa. Aqui, o trabalho é feito por milícias virtuais, incluindo as ações coordenadas pelo “gabinete do ódio”, instalado no Palácio do Planalto. 

O temor, inclusive no exterior, é que os arroubos do presidente levem seus seguidores a tomar ações concretas contra jornalistas, colocando o Brasil definitivamente na lista de Nações que constrangem a liberdade de imprensa. Isso isola o País na comunidade internacional e ameaça acordos costurados há anos pela diplomacia brasileira, como a integração à OCDE e o acordo Mercosul-União Europeia. 

Nesse último episódio, apoiadores do presidente usaram as redes com esse objetivo. “Foi pra isso que votei nele! Jornalista vagabundo tem que apanhar na rua!”, dizia um deles. São ações insufladas pelo mandatário desde o início da gestão. 

No ano passado, Bolsonaro foi o responsável por 58% dos 208 ataques contra veículos e profissionais de imprensa no Brasil, segundo a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).







Playvolume00:02/00:43TruvidfullScreen




Leia mais

Desta vez, ironicamente, o rompante do presidente se voltou contra ele nas redes sociais e gerou uma onda de indignação que mobilizou a internet. Mais de 1 milhão de interações ocorreram no domingo, a partir de 353 mil usuários, com a pergunta: “Presidente @jairbolsonaro, por que sua esposa, Michelle, recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?”.

Internet contra Bolsonaro

Celebridades aderiram, como a cantora Anitta, o influencer Felipe Neto, o humorista Fabio Porchat, a atriz Patricia Pillar e o cantor Caetano Veloso. Mas o grosso veio de manifestações espontâneas de populares. Em quatro dias, ocorreram 4,3 milhões de interações no Facebook, segundo Fábio Malini, pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura da Universidade Federal do Espírito Santo. Os perfis de Bolsonaro nas principais plataformas foram invadidos com a mesma pergunta em milhares de comentários, neutralizando a resposta do presidente. Durante a crise, os apoiadores do governo tentaram criar uma falsa “narrativa” para o destempero de Bolsonaro. Segundo essa versão, o jornalista que inquiriu o presidente teria provocado: “Vamos visitar sua filha na cadeia”. Não é o que ocorreu. A verdadeira frase, dita por um homem na multidão, foi “Vamos visitar nossa feirinha na catedral, presidente”. Bolsonaro tentou usar a interpretação alternativa e publicou o vídeo do incidente, apagando a frase fictícia, mas com um versículo bíblico: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Em vão. Foi um massacre nas redes. Para Malini, essa foi a maior crise do presidente na internet, rivalizando com o episódio do “golden shower”, no carnaval de 2019. “Criou uma nova forma de lidar com o governo, que é o perguntaço. É uma atividade nata do repórter. Isso deve ser utilizado outras vezes em situações análogas”, afirmou. As pessoas descobriram um mecanismo de lidar com um determinado fato, e criticar o governo por meio de menções diretas nas contas oficiais. Para ele, essa pergunta pode virar um novo “Cadê o Queiroz?”. “Os bolsonaristas fazem muito isso, de usar uma pergunta que é compartilhada por várias pessoas. Sincronizam uma ação de ataque ou defesa. O último alvo forte foi o Moro”, diz Malini. Para ele, o Twitter era uma bolha polarizante nas eleições de 2018, mas o viés de oposição ao governo Bolsonaro está ganhando força. O pesquisador também nota que está se reproduzindo um fenômeno que ocorreu nas últimas eleições britânicas: a expansão dos movimentos virais gerados a partir de conteúdos originais da imprensa. “Os conservadores nas últimas eleições no Reino Unido se beneficiaram disso. É um fenômeno novo”, diz. Assim, paradoxalmente, o presidente acabou fortalecendo os profissionais que desejava atacar.
DEPÓSITOS Michelle recebeu 27 cheques de Fabrício Queiroz (Crédito:Divulgação)

A relação tumultuada com os profissionais de comunicação é uma constante para o presidente. “Ô rapaz, pergunta pra sua mãe sobre o comprovante que ela deu pro teu pai, tá certo?”, disse em dezembro, ao ser indagado também sobre cheques de Queiroz à primeira-dama. “Você tem uma cara de homossexual terrível, mas nem por isso eu te acuso de ser homossexual”, disse a outro jornalista. “Tem familiares meus aqui. Eu prefiro vê-los do que responder uma pergunta idiota para você. Está respondido?”, disse em julho de 2019, perguntado sobre ter oferecido carona a parentes em helicóptero da FAB. As suas investidas são parecidas com a exibida em 1983 pelo general Newton Cruz. O antigo chefe do Comando Militar do Planalto mandou o radialista Honório Dantas “calar a boca” durante uma entrevista coletiva. Exaltado pelas perguntas incômodas, agarrou o profissional pelo pescoço, exigindo um pedido de desculpas. O pendor autoritário do general gerou alguns dos últimos momentos ameaçadores do regime de exceção que entrava em colapso, mas despertava fãs. Naquela década, o então tenente Bolsonaro tentou se aproximar de Newton Cruz, cujos gestos, apesar de teatrais e patéticos, vieram após um período de trevas. Em 1968, o Ato Institucional nº 5 levou a censura às redações dos jornais, rádios e TVs, além de abrir o caminho para cassações, prisões e torturas. O AI-5, é bom lembrar, já foi defendido publicamente por Eduardo Bolsonaro. Na história do País, esse período obscuro só tem paralelo com a repressão promovida por Getúlio Vargas no Estado Novo, quando o Departamento de Imprensa e Propaganda ditava as informações que podiam chegar à sociedade e o jornal O Estado de S.Paulo sofreu intervenção. Fernando Collor tentou intimidar a Folha de S.Paulo enviando a Polícia Federal à sede do jornal dez dias após sua posse, a pretexto de uma investigação fiscal. No momento atual, felizmente não há espaço para retrocessos institucionais. Bolsonaro flerta com um momento passado, mas há um consenso estabelecido desde a redemocratização. Os governantes precisam prestar contas à Justiça e não conseguem mais aviltar a liberdade de expressão, expressa na Constituição e garantida pelo STF. Ao atual mandatário, como acontece nas grandes democracias, só resta seguir a lei. Para isso, deve responder não apenas à imprensa, mas à sociedade: “Presidente, por que sua esposa, Michelle, recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?”.

Quem é bundão?

Jair Bolsonaro, digníssimo presidente do Brasil, precisamos refletir sobre “bundão”. Desculpem, leitores, a chula expressão, mas aqui temos de usá-la em nome do constitucional direito que toda a sociedade possui de ser bem informada. Bolsonaro afirmou, referindo-se à Covid-19: “Quando pega num bundão de vocês (jornalistas) a chance de sobreviver é bem menor” – ele comparava repórteres a si próprio, que já foi infectado e sarou. 

Pois bem, no estilo populista, Bolsonaro aposta na confusão. Vale esclarecer, então, quem de fato é “bundão”? Esse termo, impensável na boca de um presidente da República, significa ser covarde, “amarelar”, fugir das obrigações. 

Vamos, pois, a um lógico raciocínio: Presidente, quem é que foge de perguntas sobre o depósito de dinheiro na conta bancária de sua esposa, a sra. Michelle, feito por Fabrício Queiroz? 

Excelência, quem é que constantemente ameaça bater em jornalistas quando se sente incomodado com indagações? 

Quem diz a jornalistas se não têm pergunta melhor a fazer? 

O senhor é pessoa pública, ganha salário do erário, é obrigado a acolher a imprensa. Não é favor. Fugir disso, porque tem medo, é ser covarde. É “amarelar”. “Bundão”. E tentar esconder a covardia com agressividade é ato ainda mais covarde.


Se Bolsonaro pensa em tolher o artigo 5º da Constituição que assegura a liberdade de expressão (não a liberdade de governante ter boca suja), seria bom que ele memorizasse duas frases. 

Uma: “Posso discordar daquilo que você diz, mas dou a vida pelo direito de dizê-lo”. É de François Marie Arouet. A outra: “A liberdade de imprensa não pode ser limitada sem ser perdida”. É de Thomas Jefferson. 

Com certeza o presidente já estudou muito essas personalidades, dá para notar pela sua compostura. Falando-se em compostura, lembremos que o então presidente João Figueiredo (o general que preferia o cheiro de cavalo ao de povo) discutiu pessoalmente com manifestantes. 

Mas não derrubou o nível. Como disse recentemente o genial escritor, produtor e crítico musical Nelson Motta: “Não chega a ser o caso de ter saudade, mas Figueiredo perto de Bolsonaro era um lorde”.

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
.
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee