Pages

terça-feira, 27 de novembro de 2018

BOLSONARO DESBARATOU A DIREITA BRASILEIRA

Por Rogerio Palhano   Postado  terça-feira, novembro 27, 2018   Sem Comentários



O filósofo francês Bernard Henri Lévy, em uma entrevista a este jornal feita por meu colega Tom Avedaño, faz a seguinte afirmação: “Bolsonaro derrotou mais a direita que a esquerda”. 

Talvez seria mais justo afirmar que o capitão de ultradireita desbaratou e devorou tanto a direita como a esquerda e até o centro político. Embora seja verdade que, enquanto à esquerda resta o importante papel da oposição, à direita nem esse consolo lhe sobra. Acabará em seus braços ou ficará sem espaço.

Para entender esse fenômeno é necessário recordar que há muito tempo, no Brasil, a direita política e econômica, a liberal, viveu escondida, quase envergonhada, ou se entregou às mãos da esquerda nos governos do PT de Lula. Tanto é assim não há um só partido, dos 35 com presença no Congresso, que leve em seu nome a palavra direita ou liberal. 

Ou melhor, só o pequeno partido que acabou acolhendo Bolsonaro como candidato presidencial, já que os outros não acreditavam em sua força eleitoral, chama-se “Partido Social Liberal”

E mesmo esse partido destaca o social em seu nome. Nenhum outro aparece como liberal, enquanto há quase 20 partidos que levam em seu nome referências explícitas à esquerda, ao socialismo, ao comunismo ou ao progressismo em geral. 

Ninguém queria parecer de direita. Até partidos claramente conservadores, como o PP, com maior número de deputados indiciados por corrupção, chama-se Partido Progressista.

Essa espécie de pudor de não parecer de direita ou liberal foi notado nestes anos também no âmbito intelectual e cultural. Com pequenas exceções, no campo universitário, por exemplo, a direita liberal nunca teve espaço nem prestígio. Tudo o que não fosse relacionado com a esquerda era considerado de segunda categoria.

O fato é que o Brasil sempre foi, e continua sendo, um povo conservador, em boa parte de sua classe média e sobretudo em seus estratos mais pobres e populares cativados pelas igrejas evangélicas que pregam um cristianismo de direita.

A esquerda sempre soube que, se tivesse levado a plebiscito temas como a pena de morte, o aborto ou o casamento homossexual, provavelmente teria perdido. Tanto assim que, para conseguirem se eleger, tanto Lula como Dilma tiveram que prometer aos evangélicos não tocar, por exemplo, no tema da liberação do aborto. E assim fizeram.

Bolsonaro foi capaz, num mundo político onde só a esquerda tinha prestígio, com uma direita encolhida, de apresentar sem pudor toda a fúria da ultradireita, inclusive com tintas fascistas. 


E, para surpresa de muitos, arrastou com sua candidatura sem meios-tons, nem concessões, ameaçando inclusive prender a oposição de esquerda, a 57 milhões de votantes que lhe deram de presente a presidência.

Lembro-me de quando começou sua candidatura a crescer, e tantos colegas e amigos meus, jornalistas brasileiros e espanhóis, me diziam que era impossível que o ex-militar sem biografia nem experiência de governo e com suas tiradas extremistas e extravagantes pudesse conquistar a presidência num país com a envergadura do Brasil. Temos que reconhecer que nos equivocamos. 


E hoje poderíamos nos equivocar de novo, quando se supõe que sua presidência não aguentará nem dois anos, e que logo a esquerda voltará a governar. 

Talvez o mais grave de tudo, para quem vê em Bolsonaro um perigo para a democracia, é que o Brasil, como demonstrou a surpresa das eleições, tenha entrado num círculo político difícil de frear e que muito provavelmente continuaria vivo inclusive com a saída do capitão. 

A direita, assimilada pelo fenômeno de Bolsonaro, acabará pondo-se a seus pés. E até o centro, que parece perdido. E inclusive parte da social-democracia do PSDB que já tinha votado nele.

Daí a importância de uma reunificação da esquerda e das forças progressistas se desejarem criar uma frente de oposição séria. Uma oposição que seja ao mesmo tempo uma tomada de consciência para entender e confessar onde se equivocou e como poderia recuperar a confiança nela depositada até agora pela maioria dos brasileiros.

Permanecer numa postura de mera abominação da presidência bolsonarista ou do excesso de confiança de que logo o tsunami de extrema direita amainará, deixando novamente o campo livre para os progressistas, seria na verdade um suicídio.

A nova onda ultraconservadora que ameaça incorporar tanto a direita liberal como o centro poderia acabar monopolizando o poder e encurralando cada vez mais as forças progressistas. Para não desaparecer, estas precisam reconhecer que seu fracasso maior foi não ter nem imaginado, talvez por um pecado de autossuficiência, que o Brasil poderia castigar seus pecados de corrupção entregando-se às mãos da direita, apesar dos escândalos de corrupção. Mais ainda neste momento em que os ventos da ultradireita sopram de uma ponta a outra do Atlântico e contagiaram uma parte da Europa a partir dos Estados Unidos.

Se a esquerda precisa se purificar e fazer um exame de consciência para entender onde se equivocou, também a direita liberal, a democrática, junto com as forças do centro, deverão repensar e ocupar o papel que lhes competia, como pluralismo político. 

Neste momento, essa direita ou centro-direita, que em outros países mais desenvolvidos que o Brasil foi capaz de criar prosperidade e defender a democracia, deverá recuperar sua identidade para frear a possibilidade de que se amplie ainda mais o campo extremista do bolsonarismo


Ou pelo menos lhe servir como dique de contenção democrática. Ou a direita política e econômica se mudará de mala e cuia para o novo e imprevisível condomínio bolsonarista?EL PAÍS Brasil.

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee