Pages

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

A AMEAÇA À EDUCAÇÃO

Por Rogerio Palhano   Postado  segunda-feira, outubro 22, 2018   Sem Comentários


Racismo, vandalismo em biblioteca, censura e ofensas anônimas. O que explica a onda reacionária que ataca a liberdade de pensamento em universidades e escolas do País?

Escolas e universidades, locais onde a liberdade de pensamento e a argumentação científica deveriam imperar, viraram o palco de uma selvagem disputa ideológica que parece estar só começando. 

Suásticas pichadas, ameaças criminosas contra minorias e a defesa de posições reacionárias estão proliferando no ambiente educacional brasileiro nas últimas semanas, indicando uma grave fratura social. Um dos mais recentes ocorreu na quarta 17, quando foram encontradas mensagens homofóbicas nos banheiros da reitoria da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). 
Ao lado da cruz nazista, os rabiscos: “Morte aos gays”, “Morte aos viados”, “Morte a todos os LGBT”. Em São Paulo, no mesmo dia, portas de apartamentos estudantis da USP amanheceram riscadas com o símbolo nazista. Na manhã anterior, duas suásticas foram desenhadas em uma lousa de uma sala do curso de Arquitetura da PUC-Rio.

Para a professora Simone Lisniowski, da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), onde também foram registrados ataques, a escalada recente do obscurantismo e da intolerância reside na velha falta de estímulo ao pensamento crítico na educação. “Quem vê o mundo como um lugar de certezas não admite diferenças”, afirma. 

As demonstrações de ódio racial, misoginia e homofobia se repetem diariamente em estabelecimentos de ensino de todas as regiões do País, sem que os autores das agressões sejam identificados. 

Na quarta 10, alunos negros do curso de Direito da Federal de Santa Maria (RS) sofreram insultos: “Vai lavar esse cabelo, macaco fedido”. Na segunda 8, no campus Butantã da São Judas Tadeu (SP), as mensagens de ódio foram: “Burn jews” (Queime judeus) e “Vão se f… seus negros e feministas de merda, gays do demo”. 

Na Unicamp, em Campinas (SP), desde agosto foram encontradas as frases “Sapata tem que morrer” e “Vai ter massacre Columbine”, em referência ao tiroteio que matou 15 pessoas em uma escola nos Estados Unidos, em 1999. Em todos os casos foram abertas investigações. A legislação brasileira considera crimes graves tanto o uso de símbolos nazistas quanto a propagação de discursos racistas e homofóbicos.

Livros rasgados

Além da perseguição a quem consideram inimigos, os criminosos anônimos também atacam conceitos humanistas fundamentais às democracias. Na UnB, no início do mês, a descoberta de livros rasgados na biblioteca indignou alunos e professores. 

As obras tratam de direitos humanos, história da arte, cultura pagã, Teoria da Evolução e Renascimento. Os livros foram sistematicamente danificados. Como as páginas foram rasgadas ao meio, o objetivo parecia ser mais demonstrar desaprovação com os temas do que prejudicar futuras leituras. 

Para Simone Lisniowski, uma série de fatores subjetivos interligariam essas ações esparsas. “Há disputas de interesses e muita gente não sabe lidar com a liberdade alheia”, diz.

Nos ensinos fundamental e médio as manifestações são de caráter ideológico. O caso mais gritante foi a repentina exclusão do livro “Meninos Sem Pátria”, adotado pelo tradicional colégio católico Santo Agostinho, no Leblon, Rio de Janeiro. Leitura para alunos do 6º ano, a obra retrata a história de uma família que abandona o Brasil durante a ditadura militar. 

Escrito por Luiz Puntel, em 1981, o livro está na 23ª edição, com quase 1 milhão de exemplares vendidos, e jamais enfrentou resistências até ser apontado no início do mês como parte da “doutrinação comunista” da escola. A denúncia ganhou corpo ao parar em grupos de WhatsApp e na página do Facebook “Alerta Ipanema”, com 17 mil seguidores. 

Professor de redação em um cursinho de Ribeirão Preto (SP), Puntel contesta as críticas. “Meu livro fala de exílio. Não há doutrinação. Se eu falar de transexualidade, vão me chamar de quê?”, questiona.

Com os ânimos exaltados pela poximidade da eleição e a sociedade polarizada, até uma menção à Lei Rouanet causou controvérsia em sala de aula. Na escola particular Mirassol, em Natal (RN), o pai de um aluno se revoltou contra o professor de História Euclides Tavares, a quem acusou de fazer apologia de esquerda durante um seminário de alunos do ensino médio sobre cinema. 

Uma pergunta sobre as empresas citadas nos créditos de um filme nacional fez com que o professor explicasse os mecanismos de incentivo à cultura previstos na Lei Rouanet. Um aluno passou uma mensagem por WhatsApp para o pai, que começou a confusão por meio de um telefonema à escola. 

Apoiado pela direção, Tavares prestou queixa. “Se explico até o que foi a Lei Áurea, que é complicada, não vou falar da Lei Rouanet? Não dá para dar uma aula sobre liberalismo, por exemplo, sem falar de ideologia. Isso é loucura”, afirma. É mesmo. Reprimir com violência a liberdade de pensamento é típico de regimes autoritários. Não da democracia.

Clássicos hoje, censurados ontem

Obras que hoje são obrigatórias em salas de aula e como leituras preparatórias para vestibulares das melhores universidades já foram apreendidas e proibidas. Jorge Amado teve exemplares de “Cacau”, “Mar Morto” e “Capitães da Areia” incinerados em praça pública durante o Estado Novo (1937-1946). 
Considerado “propaganda do credo vermelho”, “Capitães da Areia” foi o primeiro livro a retratar a vida de menores abandonados no Brasil. Para o fogo também foram “Menino do Engenho” e “Bangüê”, de José Lins do Rego, sobre as desigualdades sociais no interior do Nordeste e o declínio da cultura canavieira.

Na Ditadura Militar (1964-1985), intelectuais como Darcy Ribeiro, Fernando Henrique Cardoso e José Serra foram impedidos de publicar. A obra de FHC era “bitolagem aos dogmas marxistas”. 

Censurado em 1975 por ser violento e imoral, o livro de contos “Feliz Ano Novo”, de Rubem Fonseca, vendeu bem na Espanha e na França, mas demorou uma década para ser liberado pela Justiça brasileira. As peças teatrais “Calabar: O Elogio da Traição”, de Chico Buarque, e “Barrela”, de Plínio Marcos, não puderam entrar em cartaz por anos. Mesmo sendo apoiador do regime, Nelson Rodrigues teve o romance “O Casamento” visto como “um atentado à família”.

Sobrou até para “Memórias de Um Revolucionário”, autobiografia do general Olympio Mourão Filho. Protagonista do Golpe Militar de 64, ele desagradou colegas de farda e seu livro foi para o mesmo índex que os escritos de Marx, Lênin, Trotsky, Mao, Che e Fidel. 

A lista de obscurantismos foi vasta e pontuada de ridículos. Cópias de “O Vermelho e o Negro”, de Stendhal, clássico do realismo francês da primeira metade do século 19, foram apreendidas e liberadas sucessivamente por causa do título, que sugeriria subversão comunista. 

Pior mesmo foi vetar a divertida e inocente letra de “Tiro ao Álvaro”, de Adoniran Barbosa, por considerar “falta de gosto” a fala errada do sambista, que trocava propositalmente “tábua”, “automóvel” e “revólver” por “tauba”, “artomorve” e “revorve”.

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee