Pages

sábado, 22 de setembro de 2018

#ELENÃO: MULHERES A FRENTE DA RESISTÊNCIA A BOLSONARO

Por Rogerio Palhano   Postado  sábado, setembro 22, 2018   Sem Comentários


Famosas e anônimas se organizam e usam as redes sociais para se posicionarem contra o autoritarismo e o preconceito defendidos pelo candidato.

A três semanas das eleições, atrizes, apresentadoras e cantoras aderiram à campanha contra Jair Bolsonaro nas redes sociais. 

Das sempre combativas Camila Pitanga, Daniela Mercury e Patrícia Pillar a celebridades de perfil conservador ou até reacionário, como Claudia Raia e Rachel Sheherazade, elas ajudaram a difundir publicações com as hashtags #EleNão e #EleNunca, em repúdio às atitudes misóginas, homofóbicas, racistas e intolerantes do presidenciável do PSL.

O movimento espontâneo ganhou força após a página no Facebook “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro”, com mais de 2,5 milhões de participantes, ser hackeada no sábado 15 e restaurada no dia seguinte, um ataque orquestrado por bolsonaristas que, desde o início, tentam intimidar as responsáveis pela criação do gigantesco grupo de discussão política.

“Não à violência, não ao machismo, não ao preconceito, não à homofobia, não à intolerância, não à xenofobia e não para toda forma de pensamento que pregue o retrocesso de nossos direitos”, escreveu Claudia Raia. 

“Não tem a ver com política (só). Tem a ver com moral.Com a liberdade e a dignidade de ‘ser’ e de pensar, que eu espero que a minha filha tenha. E os filhos de todos vocês tenham também. É por isso que #EleNão”, justificou no Twitter a também atriz Deborah Secco.

A cantora Daniela Mercury compartilhou uma antiga declaração da atriz Fernanda Montenegro: “Pedir a volta dos militares é coisa de doentes mentais”. Patrícia Pillar, por sua vez, fez uma bem-humorada edição da célebre obra O Grito, de Edvard Munch. Na versão da artista global, o personagem retratado pelo pintor norueguês expõe claramente a razão de seu horror: “Ele não!”

Após o general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, afirmar que lares chefiados por mães e avós são “fábricas de desajustados”, mão de obra do narcotráfico, até mesmo Sheherazade, que numerosas vezes desrespeitou os direitos humanos nos telejornais do SBT, aderiu à campanha.

“Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos heroínas! #EleNão”, escreveu no Twitter. Atacada por um séquito de bolsonaristas, a apresentadora não recuou: “Pare de se iludir e tentar encobrir todas as atrocidades do seu candidato. Faça um exame de consciência e veja se é esse clima de ódio que você deseja para o nosso país”.

A adesão das celebridades deve fermentar protestos convocados por mulheres para o sábado 29. Pelo Facebook, mais de 65 mil indivíduos confirmaram presença no ato do Largo da Batata, em São Paulo. Outros 210 mil manifestaram a intenção de participar.

No Rio de Janeiro, a convocatória para a Cinelândia contava, até a quarta-feira 19, com 17 mil confirmações e 75 mil interessados. Eventos semelhantes estão previstos em capitais como Belo Horizonte, Porto Alegre, Fortaleza e Recife.

Na verdade, o número de mulheres dispostas a ocupar as ruas pode estar subestimado após os ataques cibernéticos promovidos por bolsonaristas, que roubaram dados pessoais de administradoras do grupo 

“Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” para ameaçá-las. O caso é investigado pelo Grupo Especializado de Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos, da Polícia Civil da Bahia.Na avaliação do advogado Jonatas Lucena, especializado em crimes digitais, os responsáveis pelo ciberataque podem ter incorrido em várias práticas ilegais. “Se você acessa o perfil de outra pessoa, age como se fosse ele. É falsidade ideológica”, explica.

Ao ameaçar divulgar dados das administradoras do grupo para forçá-las a deletar a página, os hackers também podem ter cometido crime de extorsão, punido com até dez anos de reclusão. “Soube que elas foram xingadas. Isso pode render outro processo por calúnia e difamação.” 

Para a advogada Paula Bernardelli, os invasores violaram ainda a legislação eleitoral. Como representante da candidata a deputada distrital Ilka Teodoro (PSOL), ela apresentou uma denúncia à Procuradoria-Geral Eleitoral.

“A propaganda negativa é lícita, e só pode ser retirada se configurar ofensa à honra, ser caluniosa, difamatória, injuriosa ou divulgar fatos mentirosos. O pedido para que não se vote, a oposição organizada, como o grupo, não desborda esses limites, sendo mera propaganda espontânea de eleitor”, distingue a advogada. A legislação pune, no entanto, aqueles que tentam ou conseguem “inutilizar, alterar, perturbar ou impedir a propaganda”.

A pena prevista é de multa a seis meses de prisão. “O ataque pode ter configurado o impedimento do exercício desse direito, uma vez que as mulheres ficaram sem acesso ao grupo”, diz Paula Bernardelli. 

A reação truculenta dos partidários de Bolsonaro não chega a surpreender. “O incômodo é porque eles sabem da potência desse grupo. Mais de 2 milhões de mulheres organizadas, motivadas e discutindo são capazes de mobilizar suas mães, filhas e amigas.Imagine o impacto disso”, afirma a antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, docente da Universidade Federal de Santa Maria (RS) e professora visitante da Universidade de Oxford, no Reino Unido. “Não nos quiseram nas redes, agora terão de nos aguentar nas ruas”, emenda a pesquisadora.

Desde que foi vítima de um ataque à faca, Bolsonaro tem crescido nas pesquisas. Dois dias antes do atentado, ele figurava com 22% das intenções de voto, segundo o Ibope. Na sondagem divulgada na terça-feira 18, tinha 28%. Mas a rejeição ao capitão da reserva do Exército atinge 42% dos eleitores, a mais elevada entre todos os postulantes ao Planalto.

Seu calcanhar de aquiles é justamente o eleitorado feminino: 49% das mulheres dizem que não votariam em Bolsonaro de modo algum, de acordo com o Datafolha de 14 de setembro.

“O eleitor típico de Bolsonaro é o homem branco, de classe média, com ensino superior completo e das regiões Sul e Sudeste”, observa a socióloga Esther Solano, professora da Universidade Fe-deral de São Paulo e autora do livro O Ódio Como Política (Boitempo Editorial).Segundo Solano, a existência de um candidato sem pudor de encampar um discurso preconceituoso e intolerante permitiu à extrema-direita sair do armário. 

“Não podemos esquecer que temos uma sociedade muito machista e racista. O Brasil é o país que mais mata transgêneros no mundo, que tem elevada taxa de feminicídios. Infelizmente, é um país construído sobre uma base de ódio contra o diferente, no discurso e na prática.” 

Enquanto as mulheres resistem a Bolsonaro, algumas celebridades do universo masculino seguem na contramão. No domingo 16, o volante palmeirense Felipe Melo dividiu a torcida do seu time ao dedicar a Bolsonaro o gol do empate contra o Bahia.

Dois dias antes, a equipe masculina de vôlei da Seleção Brasileira postou uma foto com suposto apoio ao presidenciável – Wallace e Maurício parecem reproduzir, com os dedos, o número do candidato do PSL. A torcida atleticana, por sua vez, protagonizou um lamentável espetáculo de intolerância. “Ô cruzeirense, toma cuidado, o Bolsonaro vai matar viado”, entoou um ruidoso grupo, durante a última partida entre as duas equipes, em Belo Horizonte.

A diretoria do Palmeiras limitou-se a publicar uma lacônica nota, na qual afirma que o posicionamento do seu jogador foi “uma manifestação particular, e não da instituição”. O Atlético Mineiro manifestou “repúdio a quaisquer gestos de preconceito ou de incitação à violência” por parte da sua torcida.

A Confederação Brasileira de Vôlei apagou a polêmica foto em seu perfil no Instagram e disse não compactuar com manifestações políticas de atletas no momento em que eles representam a Seleção.

O ambiente conservador favorece esse tipo de conduta, lamenta o cientista social Marcel Tonini, pesquisador da Universidade de São Paulo que estuda o racismo no futebol. “Não consigo imaginar um atleta, em uma entrevista após o jogo, apoiar um político como o Lula, por exemplo”, diz.

Se ele soltasse um ‘Lula Livre’, a repercussão seria absurdamente maior e as represálias no clube também seriam piores. Acho que não seria mais nem convocado para as próximas partidas.”

Sobre o autor

Adicione aqui uma descrição do dono do blog ou do postador do blog ok

0 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo ↑
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

© 2013 IpuemFoco - Rádialista Rogério Palhano - Desenvolvido Por - LuizHeenriquee